Entenda o que são: Dom, Talento e Pontos Fortes

dom-e-talento
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Nesta minha busca como artista, sempre me perguntei se tinha dom ou talento para a arte. Você já se perguntou isso? Essa dúvida é muito comum, por isso nesse post vou tentar explicar o que são: Dom, Talento e Pontos Fortes. Também vou apresentar algumas ferramentas para descobrirmos um pouco mais sobre nós mesmos.

Leia também: “Quem somos nós, artistas?”

O que é Dom?

A palavra dom vem do latin (donum) e significa dádiva ou presente. É o tal do algo que foi dado assim mesmo, como presente do universo, do DNA, da sorte, do acaso, enfim. O dom é algo que a ciência não explica, e que muitas vezes se manifesta logo na infância, embora possa aparecer mais tarde na vida também. Desenvoltura impressionante para dançar, cantar, pintar, praticar esportes ou outras tarefas executadas com grau de genialidade são exemplos de dons.

Nesse vídeo abaixo, a pequenina Aelita Andre brinca com as cores criando um trabalho abstrato bem avançado. Considero isso um dom porque não havia histórico desse tipo na família e ela não teve um treinamento formal.

Essa experiência com a harmonia das cores e composição não é natural para uma criança dessa idade, por isso que a considero um bom exemplo do como o Dom se manifesta.

É bem provável que na sua infância você fazia ou demostrava certa aptidão para algo. Talvez não tão intenso quanto Aelita mas com certeza você manifestava seus dons (principalmente nessa idade, em que não nos preocupávamos com “o que os outros iriam pensar”).

Às vezes os adultos envolvidos na vida de um criança reprimem ou não dão importância aos seus dons. Pode faltar tempo, dinheiro, afinidade, meios ou possibilidades. Somos adultos e entendemos que isso é um fato. Independente do seu passado, queria te convidar para fazer uma prática que eu tenho certeza de que você vai gostar.

Pesquisar sua infância

  1. Pergunte aos seus familiares quais eram as atividades que você tinha extrema facilidade em fazer quando era mais novo.
  2. No que você se destacava? O que os professores “reclamavam” que você fazia sem parar? O que eles elogiavam em você até os 5 anos de idade?
  3. Pergunte aos amigos de infância (se ainda tiver contato) quais são as primeiras memórias deles com você. O que faziam na maioria das vezes?

Eu fiz o teste e tive uma descoberta interessante. Mandei perguntas para cinco amigos do coração (através do Google mesmo, segue aqui um modelo pra você utilizar ou adaptar) e foi incrível!

Eles responderam coisas que eu não imaginava que fossem meus diferenciais. Está aí mais uma razão importante para fazer essa pesquisa.

As perguntas feitas para esse grupo de amigos, foram:

  1. Quais são as memórias mais marcantes de nossa infância?
  2. Qual característica minha te chama mais a atenção?
  3. Diga uma coisa que você gostaria que eu mudasse.
  4. O que você gosta na minha personalidade?
  5. Eu te lembro algum personagem de livro, filme ou seriado de TV?
  6. Use três palavras para me descrever.
  7. Você acha que eu sou talentoso, no quê?

 

Muita gente menospreza seus pontos fortes. Acham que são comuns a todas as pessoas. Não são! Seus pontos marcantes são justamente seu diferencial. Ali está seu poder. Veja mais sobre isso no final deste post.

O que é Talento?

O talento é o conjunto de comportamentos, pensamentos e sentimentos enraizados no seu cérebro. E o que isso significa?

O livro “Descubra Seus Pontos Fortes” fala sobre como a rede de neurônios, através das conexões sinápticas (lembra disso?) ditam o nosso comportamento, pensamento e sentimento. Em outras palavras:

O talento é aquilo enraizado em sua cabeça de acordo com suas experiências de vida.

Até os 3 anos de idade os neurônios se conectam. São em média 15 mil conexões para cada neurônio, segundo o autor. Imagine o número de conexões para uma centena de bilhões de neurônios. A natureza faz isso porque você tem muito a absorver, de 3 a 15 anos, e precisa se adaptar ao ambiente e sobreviver, certo?

Sua herança genética e as primeiras experiências de vida lhe ajudam a encontrar as conexões mais regulares e fáceis de usar. Criatividade, proatividade, visão macro ou micro, competitividade ou estratégia. Esses “caminhos” são criados na sua cabeça como estradas que são abertas no meio da mata.

Os talentos vão tomando forma conforme as conexões, ou “estradas”, vão sendo usadas com mais frequência. Quanto mais “tráfego” passando por ali mais aberta essa estrada vai ficando.

Até os 16 anos de idade você já perdeu metade das suas conexões iniciais, pois o cérebro dá prioridade a aquelas conexões que estão sendo usadas com frequência. Desta forma, quando atinge a adolescência, você possui um tecido cerebral fortalecido em regiões específicas. Ou seja, seus talentos foram literalmente “pavimentados” em seu cérebro.

“Sua inteligência e eficiência dependem do seu sucesso em tirar proveito das conexões mais fortes do seu cérebro”.

Curt Coffman

Vamos descobrir quais são os seus talentos na próxima postagem.

Compartilhe!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email